1

01 junho 2016

#Resenha: A Filha da Minha Mãe e Eu - Maria Fernanda Guerreiro


Ficha Técnica
Autora: Maria Fernanda Guerreiro
Editora: Novo Conceito
Ano:  2012
Número de páginas: 272
Assuntos: Ficção, Drama, Nacional
Adquira: Submarino, Americanas

Sensível e tão real a ponto de fazer você se sentir parte da família, A filha da minha mãe e eu conta a história do difícil relacionamento entre Helena e sua filha, Mariana. A história começa quando Mariana descobre que está grávida e se dá conta de que, antes de se tornar mãe, é preciso rever seu papel como filha, tentar compreender o de Helena e, principalmente, perdoar a ambas. Inicia-se, então, uma revisão do passado – processo doloroso, mas imensamente revelador, pautado por situações comoventes, personagens complexos e pequenas verdades que contêm a história de cada um.

~  ~   *  *  *   ~  ~

M ariana busca em seu passado entender as atitudes da mãe, para se tornar uma melhor. Mas acaba tendo várias surpresas ao perceber as verdades por trás de tudo que passou..

Mariana descobre que está grávida, mas em meio a euforia da novidade há também incertezas, medos e uma sensação de desamparo. É a partir dai ela começa a relembrar antigas lembranças sobre sua infância e família.
Acompanhamos seus sofrimentos e problemas no convívio com sua mãe, Helena, da qual Mariana tinha raiva por achar que ela fazia diferença entre os filhos, dando mais atenção e tratando melhor Guga, seu irmão mais novo, do que ela. Mesmo não entendendo muito bem as atitudes da mãe, Mariana sempre tentava se entender com ela, na maioria das vezes fracassava, e com isso acabou se tornando mais apegada ao pai, o que parecia causar um certo ciúmes em sua mãe.
Apesar de tudo pelo que passou, Mariana não podia nem imaginar quais segredos sua mãe escondia e quais desafios ainda teria que enfrentar...


"Enquanto eu esperava, fiquei pensando em como, às vezes, as coisas acontecem sem que a gente tenha controle sobre elas. E mesmo quando a gente acha tem, existe sempre o outro para nos provar o contrário." Pág. 237

Foi uma história interessante por tratar do convívio e dos conflitos vividos por uma mãe e sua filha, sendo eles causados, não por falta de amor, mas pelo acumulo de pequenos erros, falta de confiança e diálogo, ocasionando em falsas impressões e em tristeza.
Sobre os danos causados por essa falta de "conversa sincera", trazem aos relacionamentos e sentimentos das pessoas a sua volta, alterando a percepção que as mesmas podem ter sobre o mundo e as pessoas ao seu redor. Como, ao ultrapassar certos limites, as pessoas acabam piorando situações que poderiam ser resolvidas com um simples diálogo ou um momento de reflexão, com a pessoa se colocando no lugar da outra.

Helena foi uma personagem que me deixo doida da vida, sério, ficava pensando como ela podia tratar Mariana diferente, deixando ela de lado, muitas vezes parecendo abandonada, privilegiando muito mais o Gustavo. Porém, a história acaba nos fazendo entender porque ela agia assim, mudando até nossa opinião final sobre ela.
Tudo bem que muitas de suas atitudes não se justificam por isso, mas ao mudar o olhar sobre a personagem, vimos que Helena na verdade achava que Mariana, por ser forte e decidida, não precisava de tantos cuidados quanto o irmão, tendo grande confiança na filha porém não conseguia demonstrar a ela. E que Gustavo, por causa de um segredo que não posso revelar, necessitava de muito mais proteção e carinho.


"Muitas vezes não é o que se diz que magoa, mas o tom com que se fala que faz toda a diferença." Pág. 100

"Engraçado como em tão pouco tempo você pode ter os maiores sonhos do mundo e depois, por quase nada, acabar completamente sem esperança." Pág. 126

Mostra que a essência de uma pessoa não pode ser mudada somente a consciência dela sobre si mesma. Seria como se uma pessoa se desse conta de que possui tal defeito e começasse a minimizá-lo, deixando de transparecê-lo, sendo que o mesmo nunca deixaria de existir.
Aceitar que mesmo que as coisas não aconteçam do jeito que imaginamos, não deixam de ter sua importância e que não devemos nos decepcionar por causa disso.

Me identifiquei com algumas partes do livro e há várias passagens que nos relembram coisas que esquecemos no dia-a-dia mas que são importantes. Delicado, tocante e profundo, ensina tanto pais como filhos a repensar suas atitudes e que nunca é tarde para amar e recomeçar. Leitura mais que recomendada.


Avaliação Final:

Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário