1

10 setembro 2014

~Resenha: A Rosa da Meia-Noite - Lucinda Riley~

Ficha Técnica
Autora: Lucinda Riley
Selo: Novo Conceito
Ano: 2014
Número de páginas: 572
Assuntos: Ficção, Romance

Sinopse
Atravessando quatro gerações, A Rosa da Meia-Noite percorre desde os reluzentes palácios dos marajás da Índia até as imponentes mansões da Inglaterra, seguindo a trajetória extraordinária de Anahita Chavan, de 1911 até os dias de hoje.
No apogeu do Império Britânico, a pequena Anahita, de 11 anos, de origem nobre e família humilde, aproxima-se da geniosa Princesa Indira, com quem estabelece um laço de afeto que nunca mais se romperia. Anahita acompanha sua amiga em uma viagem à Inglaterra pouco tempo antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial. Ela conhece, então, o jovem Donald Astbury, herdeiro de uma deslumbrante propriedade, e sua ardilosa mãe.
Oitenta anos depois, Rebecca Bradley é uma jovem atriz norte-americana que tem o mundo a seus pés. Quando a turbulenta relação com seu namorado, igualmente rico e famoso, toma um rumo inesperado, ela fica feliz por saber que o seu próximo papel uma aristocrata dos anos 1920 irá levá-la para muito longe dos holofotes: a isolada região de Dartmoor, na Inglaterra. As filmagens começam rapidamente, e a locação é a agora decadente Astbury Hall. Descendente de Anahita, Ari Malik chega ao País sem aviso prévio, afim de mergulhar na história do passado de sua família. Algo que ele descobre junto com Rebecca começa a trazer à tona segredos obscuros que assombram a dinastia Astbury.

Como não se impressionar com essa história, onde o amor é capaz de mudar vidas e resgatar o passado, para que ele possa, finalmente, ter seus segredos revelados...

Primeiramente somos apresentados a Anahita em seu aniversário de 100 anos, conhecemos também sua família, filha, netos e bisnetos. Ao refletir sobre os momentos pelos quais passou até a data atual, um se destaca como o mais marcante e perturbador: a perda de seu primeiro filho, mesmo que tenham lhe entregado a certidão de óbito e depois de tantos anos, Anahita ainda acredita que na verdade ele está vivo. Então ela decide entregar ao seu bisneto Ari Malik uma carta com várias e várias páginas onde Anahita veio escrevendo durante anos os acontecimentos do seu passado para que quando seu filho fosse encontrado soubesse de toda a verdade. Ela também pede que Ari leia a carta sem que revelasse sua existência, assim saberia se deveria ou não iniciar tal busca.
Temos também Rebecca Bradley, uma atriz americana que chega a Dartmoor, Inglaterra, para as gravações de seu novo filme. Chegando em Astbury Hall, uma das mais belas mansões do país e também local da filmagens de seu filme, conhece Lorde Anthony Astbury último descendente da família. Rebecca fica impressionada com o lugar e decidi ficar hospedada por lá.
"Aprendi, desde então, que nunca devemos ser complacentes em uma época especial de nossa existência. É tão passageiro esse momento em que nos sentimos invencíveis, e fico triste em dizer que meu momento chegou a um fim abrupto logo depois. [...]. Pág. 288"

Que história intensa! Quando comecei a ler A Rosa da Meia-Noite não imaginava que seria algo tão envolvente, rico e surpreendente.
Seu começo foi um pouco lento, afinal é nele que são introduzidos alguns dos elementos e detalhes mais importantes. A história, já aviso, é densa, rica em detalhes e em personagens já que ela atravessa várias gerações. E por esses motivos é um livro que deve ser lido com calma e atenção para que se possa apreciar e absorver cada momento.
A história é contada em dois tempos: No presente temos Ari partindo em busca de respostas sobre o que realmente aconteceu a oitenta anos atrás. E através do manuscrito de Anahita temos a visão de seu passado, desde a infância na Índia até os meados de 1957. Confesso que demorei um pouco para me envolver com a história, depois de várias páginas percebi como a autora pretendia transmiti-la e quando algumas "ligações começaram a surgir percebi que não estava somente envolvida com cada novo acontecimento como ficava mais e mais curiosa, ansiosa para saber que rumo a história tomaria.

"Conforme os dias se passavam, percebi que estava presa em uma terra de ninguém. Fui criada em um palácio, mas era pobre; estava sendo educada na Inglaterra, mas tinha a cor errada para fazer uso de minhas qualificações. Eu não era parte da classe trabalhadora, mas também não pertencia à aristocracia para conseguir um bom casamento. [...] Pág. 168 e 169"

As partes onde é contada a jornada de Anahita foram as minhas favoritas, conforme o presente e o passado era intercalado, ansiava cada vez mais que essas partes surgissem para me aventurar mais e mais no passado da personagem. Chega até a ser difícil acreditar em tudo que essa guerreira enfrentou. Uma personagem incrível, algumas vezes chegou a me irritar por ser bondosa e ingênua demais. Mas tenho que reconhecer sua força e sabedoria.
Há vários personagens memoráveis que eu poderia mencionar como o fofo e carismático Donald, Indira com seus dramalhões e até mesmo a perversa Maud, oh mulherzinha infernal! Mas o interessante é que mesmo com diversos personagens, Lucinda consegue torná-los inesquecíveis pois nenhum está lá para ser um mero enfeite, cada um tem o seu propósito e sua importância na historia.
"[...] Uma das coisas que aprendi quando estava na França como enfermeira, Indy, é que a vida é muito curta. Todos temos que fazer sacrifícios por aquilo que acreditamos ser certo. Pág. 306"

Terminei o livro maravilhada, em parte pelo andamento da história pois dificilmente conseguiria imaginar tudo que aconteceu ali. Além da narrativa da Lucinda ser algo apaixonante, capaz de nos transportar sutilmente para o passado sem que ficasse algo distorcido ou mal inserido, dando a impressão de ser, na verdade, lembranças realmente vividas por alguém real.

Um livro que desperta vários sentimentos, que mexe com nosso consciente em relação a como o destino pode ter um caminho já traçado para cada um de nós e como mesmo que acontecimentos ou até  nossas escolhas possam vir a interferi-lo, tudo acaba se ajustando.
A Rosa da Meia-Noite é uma história complexa, porém magnífica e apaixonante, dificilmente você não irá se encantar e se maravilhar com ela. Recomendadíssimo S2

Avaliação Final:


Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário