1

20 junho 2014

~Resenha: Cilada - Harlan Coben~

Ficha Técnica
Autora: Harlan Coben
Selo: Arqueiro
Ano: 2010
Número de páginas: 272
Assuntos: Ficção, Thriller


Sinopse
Haley McWaid tem 17 anos. É aluna exemplar, disciplinada, ama esportes e sonha entrar para uma boa faculdade. Por isso, quando certa noite ela não volta para casa e três meses transcorrem sem que se tenha nenhuma notícia dela, todos na cidade começam a imaginar o pior. O assistente social Dan Mercer recebe um estranho telefonema de uma adolescente e vai a seu encontro. Ao chegar ao local, ele é surpreendido pela equipe de um programa de televisão, que o exibe em rede nacional como pedófilo. Inocentado por falta de provas, Dan é morto logo em seguida.
Na junção dessas duas histórias está Wendy Tynes, a repórter que armou a cilada para Dan e que se torna a única testemunha de seu assassinato. Wendy sempre confiou apenas nos fatos, mas seu instinto lhe diz que Mercer talvez não fosse culpado. Agora ela precisa descobrir se desmascarou um criminoso ou causou a morte de um inocente.
Nas investigações da morte de Dan e do desaparecimento de Haley, verdades inimagináveis são reveladas e a fragilidade de vidas aparentemente normais é posta à prova. Todos têm algo a esconder e os segredos se interligam e se completam em um elaborado mosaico de mistérios. Harlan Coben mais uma vez deixa o leitor sem ar. Cilada fala de culpa, luto e perdão em uma trama repleta de reviravoltas surpreendentes. Nada é o que parece e tudo pode ser desfeito até a última página.

É  sempre bom recordarmos de que um simples e mesmo que mais puro ato, pode levar a outro e desencadear várias reações de proporções gigantescas.....

Já fazia um bom tempo que queria conferir algo do famoso Harlan Coben, Cilada foi uma indicação bem antiga. O livro ficou um bom tempo na minha estante e só agora resolvi lê-lo. Não diria que a história me deixou sem ar, como está na sinopse, foi uma história bacana, bem construída e profunda em relação aos sentimentos de culpa e ao perdão. É um thriller denso e por vezes complexo, tem que ser lido por completo para que se entenda os motivos e o por que dos seus acontecimentos.
"Muitas vezes na vida somos obrigados a fazer julgamentos que não gostamos de fazer. E queremos que eles sejam fáceis. Queremos confinar as pessoas em categorias bem definidas, anjos e demônios, mas quase sempre o buraco é mais embaixo: a verdade está em algum lugar entre os dois extremos.
E esse é o problema. Os extremos são bem mais fáceis. Pág. 86"

Esse é aquele tipo de livro que não se tem muito o que falar. Coben construiu e narrou muito bem a história, que por várias partes me chamou a atenção, mas ele também criava situações onde dispersava a minha atenção com detalhes não muito relevantes e até mesmo cômicos, creio que isso atrapalhou um pouco, senti falta de ser mais instigada em relação ao mistério pois só ia lendo e absorvendo as informações, esperando que rumo a história tomaria, que explicação o autor daria, então não chegou a ser algo angustiante, marcante, diria que somente tenso em algumas partes.
Isso não tornou a história fraca ou monótona, pois o autor soube construí-la muito bem, intercalando perfeitamente os envolvidos, só seu andamento que foi um pouco lento, mas nada maçante.
"Christa tinha dito algo semelhante sobre o ódio: quando o alimentamos, perdemos tudo que a vida tem a oferecer.[...] Vingança, ódio: quando nos agarramos a essas coisas, o que realmente é importante na vida acaba escapando entre nossos dedos. Pág. 265"

Personagens são carismáticos, somente a tal de Hester Grayson tem um personalidade petulante que por vários momentos tive vontade de dar um tapa na cada dela, rsrsrs. Vários nomes aparecem no livro, sendo que alguns terão mais importância que ouros, então é uma leitura que exige uma certa atenção mesmo que seja difícil se perder em seus detalhes. Alguns podem reclamar de umas repetições contida no livro, mas percebi que isto foi feito para que nos recordemos de fatos, nomes e pistas. Cilada explora a fundo a questão da culpa e do perdão, nos fazendo refletir em como às vezes as pessoas sofrem carregando um peso, não querendo "dar o braço a torcer", sendo que o simples e por vezes doloroso ato de perdoar é mais libertador e menos sofrível do que viver com sentimentos negativos.
Um ponto no final que antecede uma grande revelação me chamou a atenção por parecer algo forçado, pois não tinha como Wendy não ter percebido aqui antes. (Não posso dizer o que é =P)
Mesmo assim, o final é o ponto alto do livro, acho difícil que algum leitor o tenha conseguido prever logo de cara. Me surpreendi em relação a uma pessoa, pois ficava me perguntando quem realmente seria o culpado, se fosse alguém óbvio a história iria por água abaixo, então como o autor faria para surpreender o leitor?... Isso só lendo pra saber ;)

"Era isso o que pessoas como Ariana Nasbro não conseguiam entender, a fragilidade do mundo. As feridas que uma guinada do destino é capaz de abrir. O poço de desespero em que somos jogados por conta de um descuido qualquer.
A irreparabilidade das coisas. Pág. 135"

Mesmo com um final que vai revelando pouco a pouco os mistérios que envolvem Dan e Harley, o livro foi meio decepcionante. Acredito que por ter tido uma expectativa alta e sempre ler comentários apaixonados e positivos sobre as obras do autor, tenha ido "com muita sede ao pote". Mas curti a leitura, é um livro bom para quando se quer sair do romance e histórias cotidianas.

Avaliação Final:


.: ~ * Beijinhos * ~ :.

Leia também:

4 comentários:

  1. Cilada é o meu livro preferido do Coben, até o momento. Que pena que a história não te conquistou tanto assim. Mas, leia outro do autor quem sabe você goste ainda mais.
    Beijos
    All My Life in Books - Aguardo sua visita!

    ResponderExcluir
  2. Sou simplesmente apaixonada por este livro. Foi o primeiro livro que li do Harlan e desde então me tornei sua fã!
    Na maratona literária que irei participar lerei Confie Em Mim e espero que seja ainda melhor!

    Beijos!
    http://asassecretas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O Halan escreve muito bem, isso eu sei e esse livro me parece ser ótimo.
    Amei o primeiro quote que você fez, é pura verdadee !
    Beijos
    neversaynever-believe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Só não gostei da jornalista ter sacado tudo apenas através de uma imagem de vídeo. Mas o livro é muito bom. Amo o Myron, mas prefiro os livros individuais. Vi seu blog lá no skoob, se quiser visitar o meu, é dedicado a listas literárias:

    http://samgirl-arts.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir