1

02 março 2014

~Resenha: Como eu era antes de Você - Jojo Moyes ~

Ficha Técnica
Título: Como eu era antes de Você
Autora: Jojo Moyes
Selo: Intrínseca
Ano: 2013
Número de páginas: 320
Assuntos: Ficção, Romance


Sinopse
Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe.

Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.

U m sentimento é capaz de fazer uma pessoa mudar sua percepção? Encarar a vida de uma forma diferente, desejando sempre o máximo dela?....

Will era um jovem vivendo sua intensa vida quando acaba sendo atropelado por um motociclista, ficando tetraplégico. Isso tira a sua alegria e até mesmo sua vontade de viver. Louise Clark, uma garota de 26 anos, acaba de perder o emprego, pois o café onde trabalhava fechará as portas, sem saber que caminho seguir, por não possuir experiência em qualquer outra coisa a não ser o que fazia no emprego anterior, consegue um de cuidadora, mas que na verdade está relacionado a acompanhar e animar uma pessoa que perdeu a esperança de ter de volta a felicidade, a pessoa de quem cuidará, o sarcástico e entristecido Will.

"[...]Seus olhos cinzentos tinham marcas de cansaço, ou do desconforto que ele sentia quase o tempo todo (Nathan me disse que ele raramente se sentia bem). Eles levavam o olhar vazio de alguém que está sempre alguns passos afastado do mundo a seu redor. às vezes, eu me perguntava se aquilo não era um mecanismo de defesa de Will, já que a única maneira que encontro de lidar com sua vida foi fingir que não era com ele que aquelas coisas estavam acontecendo. Pág. 45"

O livro tem uma história triste, isso é fato, mas que ao longo da leitura percebemos ter um significa bem diferente. Até mesmo Louise é surpreendida quando descobre o real motivo de ter sido contratada para cuidar de Will. A história se desenvolve de uma forma bem comum, mostrando m pouco de como cada um trata seus dilemas e obstáculos. As partes sarcásticas, onde Will, utiliza-se muitas vezes de um humor negro para perturbar a Louise, dificilmente não nos arrancam sorrisos.
Mas, a vida de um tetraplégico não é fácil, pois exige muitos cuidados, sem falar nos dias em que dores e outras enfermidades atacam seu corpo.

"[...]Ninguém quer ouvir sobre como é saber que você nunca mais fará sexo, nunca mais comerá algo que você mesmo preparou, nunca vai segurar seu própria filho nos braços. Ninguém quer saber que às vezes me sinto tão claustrofóbico estando nesta cadeira que tenho vontade de gritar feito um louco só de pensar em passar mais em dia assim.[...] Pág. 220"

Ao lermos sobre as dificuldades de Will e como as coisas que ele mais tinha prazer em fazer se tornaram inacessível, começamos a compreender suas razões para não querer mais viver. Sei que decidir quando será a própria morte chega a ser algo bem mórbido, mas não podemos julgar, pois para saber o real significado de seu sofrimento, só estando no lugar da pessoa. Além disso, a história nos mostra que a não aceitação desse fato pelos parentes, pode soar mais egoísta do que aparenta. Ainda mais por Will ser tão jovem.
Apesar do cenário triste, Will e Louise conseguem ajudar um ao outro, mesmo que de uma forma sutil, pois assim como Louise se empenha para trazer de volta a alegria e vontade de viver de Will, ele tenta ao máximo convencê-la a viver coisa novas, a ter ambições e sair da comodidade.

Como já havia mencionado no "Li até a página 100 e ...", gostei dos personagens principais de seus desenvolvimentos na história, todos acabam tendo um real valor para seu andamento. Jojo Moyes narra muito bem os acontecimentos, gostei do seu estilo de escrita, mas por a letra ter um fonte um pouco menor do que estou acostumada, sugiro lê-lo devagar, para que nada se perca.

"Não respondi. Ouvi a voz dele por cima do barulho do secador.
- Vamos lá, qual é a pior coisa que poderia me acontecer: acabar numa cadeira de rodas?
Pode parecer idiota, mas não consegui não rir. Era o mais perto que Will chegara de realmente tentar fazer algo para me animar. Pág. 66"

Foi uma leitura muito prazerosa, apesar de não me emocionar como imaginava, pensei que quando virasse a última página, lágrimas escorreriam sem parar, mas não foi o que aconteceu (confesso que me senti um pouco frustrada com isso), ao invés disso, compreendi o real sentimento que o livro quis passar, com a clara mensagem de que: A vida tem que ser vivida e aproveitada ao máximo, ter ambições não importando o seu tamanho, curtir e experimentar coisas novas, mesmos que pequenas e lugares diferentes.

Avaliação Final:



.: ~ * Beijinhos * ~ :.

Leia também:

2 comentários:

  1. Nossa, o livro parece ser tão... intenso, mesmo não tendo lhe feito chorar. Eu realmente gosto de livros que deixam mensagens que de alguma forma conseguem mudar o leitor.

    Um abraço,
    http://oepitafio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Samantha,

    Esse livro esta na minha lista de desejados, só leio resenha positivas sobre elee a sua não foi diferente...bela resenha....abraços.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir